Projeto Renasce Brasil
Proposta de marido e mulher no Poder Legislativo e Judiciário
Texto publicado em 2001 e republicado em 27/11/2017
As tentativas de impor igualdade absoluta entre homens e mulheres têm, na verdade, trazido infelicidades e descontentamentos tanto para um quanto para o outro. A chamada paridade entre os sexos está vulgarizando o ser humano e colocando a família inteira sob forte tensão e sob riscos de violências.

Para corrigir esses problemas e desviar o país de uma trajetória de conflitos e destruição familiar, proponho preenchermos os cargos de deputados e juízes com um casal tradicional em cada vaga, e não mais com uma única pessoa como ocorre atualmente. Estes cargos, de grande poder social, poderiam ser preenchidos por casais moralmente e legalmente casados, de maneira a representarem a parte masculina e a parte feminina sem, porém, serem concorrentes um do outro. Dessa forma, a mulher se tornaria participante bem ativa e com total poder de veto em todas as decisões do Poder Legislativo e do Poder Judiciário, desde que em comum acordo e ao lado do marido. (Cada casal entraria em consenso e representaria um único voto e uma única decisão).

Com esta modificação, as vagas de legisladores e de juízes seriam preenchidas exclusivamente por casais "estáveis". Todas as decisões teriam que passar pelas mãos do marido e pelas mãos da esposa. Assim conseguiríamos dosar, de forma pacífica, as avaliações racionais (mais característica dos homens) com as avaliações sentimentais (mais característica das mulheres). Este processo seria mais representativo e eliminaria eventuais tendências, machistas ou feministas, na hora de fazer justiça e na hora de formular soluções sociais, projetos e leis.

A utilização de casais tradicionais, para formular as leis e estabelecer a justiça, resolveria vários conflitos atuais e valorizaria bem mais a família e o ser humano. Além disso, salvaria a nação de ser influenciada por extremistas machistas, feministas ou homossexuais que, uma vez no Poder, podem enfraquecer e danificar os já fragilizados laços familiares.

A opinião de um casal, que vive junto como marido e mulher é, em geral, mais acertada que a opinião de uma única parte, seja a masculina, seja a feminina. Evidências biológicas demonstram que homem e mulher sempre foram complemento um do outro. Portanto, é natural que as características emocionais e psicológicas também se complementem. A utilização do conjunto, homem e mulher, (casados legalmente) daria mais imparcialidade à elaboração e execução das nossas leis, além de melhorar o relacionamento humano, familiar e social. O modelo que está sendo proposto evitaria, inclusive, o surgimento de facções feministas ou machistas nas instituições governamentais e na sociedade em geral.

Outro aspecto que precisamos reavaliar também é o papel da mulher nas atividades administrativas e governamentais. Não é sensato, nem cristão, retirar os homens da direção de empresas estatais, instituições públicas, Ministérios, Secretarias etc., para substitui-los por mulheres. Fazer isso é retirar uma administração racional e substitui-la por uma administração sentimental, ou o equivalente a substituir o conceito capitalista (mais rígido e mais realista), pelo conceito socialista (menos rígido, porém mais fantasioso). Fazer estas inversões é desobedecer a Deus e gerar novos e imprevisíveis problemas. O mais aconselhável, neste caso, seria modificar estas funções criando o cargo de chefia dupla. Esse novo cargo seria ocupado por um diretor e uma conselheira (uma ajudadora), de modo que toda administração pública, a esse nível, seria executada por um homem (diretor) e uma mulher (conselheira). Até as escolas públicas deveriam ser administradas por um Diretor e uma Conselheira. O ideal é combinar a rigidez e a organização masculina com a sensibilidade e a flexibilidade feminina, sem, entretanto, criar disputas de poder entre homens e mulheres.

A população brasileira precisa refletir sobre o fato de que, parlamentares e juízes solteirões, divorciados, separados, gays, lésbicas etc., poderão influenciar a sociedade com tendências libertinas, pagãs, rebeldes, destrutivas e até mesmo levianas e imorais produzindo instabilidades sociais. Mas homens e mulheres tradicionais, casados legalmente, influenciarão a sociedade com idéias conservadoras, edificadoras e pacifistas. Por isso, convém refletirmos com cautela sobre isso e sobre o tipo de pessoa que desejamos no Judiciário e no Legislativo brasileiro.
continuar lendo

Autor: Valvim Dutra - Quem é, Valvim Dutra?

Copyright - A republicação dos artigos deste site é permitida desde que citada a fonte com um link para a página original.

Nota: Este artigo é a expressão do pensamento e opinião pessoal do autor, resguardada e protegida pelo direito constitucional inviolável da liberdade de expressão no Brasil. O autor é o único responsável pelas ideias e opiniões expressas acima.

Link Patrocinado
Img protestantes
Img Reformando o Brasil
Link Patrocinado
Receba atualizações
Insira seu email para receber atualizações
« Artigo anterior: Resumo do livro negro do comunismo e o regime militar no Brasil
» Próximo artigo: Quem foi Lula e Dilma e o "quanto pior melhor"
Menu de Navegação
Projeto Renasce Brasil
»
Artigos do Projeto Renasce Brasil
Importante: Os anúncios tipo links patrocinados são publicidades externas, automatizadas, e eventualmente podem não refletir os objetivos e ideais deste site.
☰ Menu ⇅
voltar ao topo ↑